sábado, 5 de novembro de 2011

FELICITAÇÕES A JESUS SACRAMENTADO



“Venha a nós o vosso reino”

Que chegue o vosso reino, que se acrescente que se eleve e aperfeiçoe: eis aqui o que há a desejar-se a nosso Senhor neste primeiro dia do ano; que ali onde não seja amado nem conhecido, que o seja; que todos completem em si mesmos a obra de sua encarnação e redenção. E onde nosso Senhor é conhecido e amado? Pequeno, muito pequeno é o reino de Jesus Cristo! De trinta anos para cá menosprezaram e mutilaram tanto os seus direitos, assim como os que pertencem a sua Igreja! Por onde quer que se vá nosso Senhor é perseguido! Arrebataram-lhe os templos e os povos! Quantas ruinas eucarísticas!

Há tantos povos aonde a fé nunca chegou! Como nosso Senhor Jesus Cristo estabelecerá o seu reino entre eles? Para consegui-lo bastaria um santo! Peçam ao Senhor bons sacerdotes que sejam verdadeiros apóstolos. Esta deve ser a nossa contínua súplica. Esses pobres infiéis não conhecem o seu Pai celestial, nem a sua terna Mãe, nem a Jesus seu Salvador. E nós, consentimos que permaneçam em tão triste estado! Que crueldade! Estendamos…, dilatemos com nossas humildes súplicas o reinado de Jesus Cristo. Peçamos pelos pagãos e para estes consigam abraçar a fé e conheçam o Salvador! Que os hereges e aqueles que se afastam da Igreja que entrem de novo no seu aprisco e se coloquem sob o cajado do Bom Pastor.

E como reina Jesus Cristo entre os católicos? Peçam continuamente a conversão dos maus católicos que quase não tem fé. Peçam pelos que a tem possam conservá-la. Por aqueles que têm família, peçam para que todos os seus membros guardem a fé, que enquanto guardem este vestígio de união com Jesus Cristo não tenham que desesperar-se por eles. Enquanto Judas viveu ao lado de Jesus teve sempre todas as oportunidades de salvar-se; para isto bastaria uma só palavra; mas quando concluiu que estava abandonado de todo, foi rolando até o fundo do abismo. Peçam, pelo menos, com solicitude a Jesus Cristo que conserve a fé nas verdades cristãs. Muitas vezes dizem: “mais vale um bom protestante que um mal católico...” Isso é falso. Isso quer dizer que qualquer um pode salvar-se sem a verdadeira fé. Não, mil vezes não. O mal católico é sempre filho, ainda que seja filho pródigo, e por mais pecador que seja sempre terá direito a misericórdia; o mal católico está mais perto de Deus que o protestante, em razão de sua fé; ainda está dentro da casa, enquanto que o herege está fora, e para fazê-lo entrar de novo, quanto trabalho, quanta dificuldade!

Para trabalhar sobre a fé através da conversação é necessário adotar a linguagem cristã, usar a linguagem da fé. Mudem a linguagem do mundo. Por uma culpável tolerância deixamos que nosso Senhor Jesus Cristo fosse desterrado dos costumes, das leis, das formas e conveniências sociais, e nos salões das altas rodas ninguém se atreveria a falar de Jesus Cristo. Mesmo entre os católicos praticantes, pareceria estranho falar de Jesus Cristo Sacramentado. Existem tantos que não vão à Igreja nem assistem o sacrifício da Missa, porque temem incomodar algum dos convivas, até mesmo o dono da casa se encontra neste caso. Conversar-se-á da arte religiosa, das verdades morais, da beleza da religião; mas De Jesus Cristo, da Eucaristia... Jamais. Mudem tudo isto; façam profissão de sua fé; saibam dizer: nosso Senhor Jesus Cristo, e nunca digam Cristo, assim de maneira seca. Enfim, é necessário demostrar que nosso Senhor tem direito a viver e reinar na linguagem social. É uma desonra para os católicos manter a Jesus Cristo sob uma medida estrita, como o fazem. É preciso mostrar-Lhe em toda parte. Aquele que faz profissão explícita de sua fé e que sem regras ou conveniências humanas pronuncia reverentemente o nome de Jesus Cristo se coloca na benevolência de sua graça. É preciso que todos saibam publicamente qual é a nossa fé!

A cada instante se ouve proclamar princípios ateus; por onde quer que se vá encontramos pessoas se ostentam não acreditar em nada, e nós? Precisamos temer em afirmar as nossas crenças e pronunciar o nome do nosso divino Mestre? Não deve ser assim, devemos pronuncia-lo quando seja preciso, sem fazer caso destes desventurados ímpios que estão possessos, ou ainda obcecados pelo demônio. Contra todos esses demônios, oponham-se dizendo o nome de nosso Senhor Jesus Cristo! Se todos os que creem adotassem a resolução de falar sem temor de nosso Senhor Jesus Cristo, logo o mundo mudaria, porque acabaria sendo a coisa mais natural pensar em Jesus Cristo. Vai aproximando-se a passos gigantescos o grande século. Existem dois exércitos frente a frente. O ecletismo morreu, graças a Deus! Já não existe mais remédio que ser bons ou maus, alistar-se no exercito de Jesus Cristo ou no de Satanás. Confessem, por tanto, a Jesus Cristo e pronunciem o seu nome; este nome é a sua bandeira, sem covardia.

Em fim, que o reino de nosso Senhor chegue até vocês... Às suas almas. Jesus Cristo está em vocês; mas para que reine por completo lhes sobra muito por fazer. Vocês somente são conquistados: Jesus Cristo ainda não reina tranquilamente em vocês com um reinado de paz e de amor; ainda não conquistou todas as fronteiras... E que soberano poderá reinar como dono e senhor, se ainda não dominou todos os confins do seu território?

Procurem conhecer mais a Jesus Cristo. Cheguem ao íntimo de sua vida, seus sacrifícios e suas virtudes no Santíssimo Sacramento; entrem em seu amor. Em vez de estar pensando sempre em vocês mesmos, vão até Ele; é bom que nos vejamos Nele, mas melhor é ver-Lhe em nós; em lugar de se cuidarem e se preocuparem tanto com vocês mesmos, cuidem, cultivem e façam com que Jesus cresça em vocês. Pensem Nele, estudem e entrem em seu interior: terão muito por viver Nele, pois é grande, infinito...; ali está o caminho real e espaçoso. Isto sublima a nossa vida!

São Pedro Julião Eymard

Nenhum comentário:

Postar um comentário