segunda-feira, 26 de março de 2012

Anunciação do Senhor


Neste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço.

Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: "A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade."

Com alegria contemplamos o mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém, desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:

"No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas , Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’" (cf. Lc 1,26-38).

Sendo assim, hoje é o dia de proclamarmos: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1,14a). E fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, devido à plenitude dos tempos. É o momento histórico, em que o SIM do Filho ao Pai precedeu o da Mãe: "Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade" (Hb 10,7). Mas não suprimiu o necessário SIM humano da Virgem Santíssima.

Cumprindo desta maneira a profecia de Isaías: "Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco" (Is 7,14). Por isso rezemos com toda a Igreja:

"Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo".

Fonte: Blog do Ir. Rafael Léo Rodrigues http://jvrafaelleo.blogspot.com.br/

quinta-feira, 22 de março de 2012

O EXCESSO DE AMOR

Mas, Senhor, por que te comportas assim? Por que chegaste a este excesso de amor?  “Amo os homens e sinto-me feliz por tê-los à vista e esperá-los; quero ir até eles”.Deliciae meae.Valorizo as minhas alegrias por estar com eles.

E, ainda assim, o prazer, a ambição, os amigos, os negócios..., tudo vem antes de nosso Senhor. Jesus será recebido como um último recurso ou a extrema unção, se a enfermidade permitir. Isto já não é o bastante?

Oh Senhor! Por que queres vir aos que não querem receber-te e te empenhas tanto em permanecer com aqueles que Te maltratam?

VII
Quem faria o que Jesus Cristo faz?

Instituiu seu sacramento para que fosse glorificado e é nele que recebe mais injúrias que glórias. O número de maus cristãos que Lhe desonram é maior do que aqueles que Lhe honram.

Nosso Senhor sai perdendo. Para que continuar este comércio? Quem gostaria de negociar tendo a certeza de perder?

Ah! Os santos que vem e compreendem tanto amor e tanto rebaixamento devem estremecer-se e sentir-se indignados diante de nossa ingratidão.

E o Pai diz ao Filho: “É preciso concluir; teus benefícios de nada servem; teu amor é menosprezado; tuas humilhações são inúteis; perdes; terminemos”.

Mas Jesus Cristo não se rende. Persevera e aguarda; se contenta com a adoração e o amor de algumas boas almas. Ah! Não deixemos de corresponder-Lhe, pelo menos nós.

Acaso as suas humilhações não merecem que Lhe honremos e amemos?

São Pedro Julião Eymard


O Sacerdote

Ah! Quão belo quão divino e cheio de grandeza é o Sacerdote! Participe e completa a paternidade de Deus pai.
Depois de fazer o verbo se encarnar sobre o altar, dá às almas este mesmo Verbo, eternamente gerado pelo Pai! E dá ao Pai o seu divino filho, que o Glorifica por meio de todos os mistérios de sua vida de Homem-Deus.
Ah! O Pai ama o Sacerdote, e nele se compraz quando o vê celebrando o Augusto Mistério!
O espírito Santa ama o Sacerdote, porque é o instrumento de que se serve para gerar nas almas a vida divina e renovar, em suas mãos, a obra admirável da Encarnação operada no seio de Maria. O Espírito Santo está nele e com ele; faz-lhe palpitar o coração, opera por suas mãos, fala por seus lábios quando ele anuncia a palavra de Deus, e, de um modo mais eficaz e sublime, quando ele pronuncia as palavras da Consagração.
E Nosso Senhora Jesus Cristo? Ah! Ele ama o Sacerdote, e o ama acima de tudo, pois que lhe concedeu todo o poder sobre a sua Pessoa, que somente pode viver com os homens, trabalhar entre eles e acerca-se dos pecadores, por intermédio do Sacerdote! Nosso Senhor não pode passar sem o seu Sacerdote!
O Sacerdote é o homem do Coração de Nosso Senhor, que o ama sobre todas as coisas. Foi por amor que o tornou Sacerdote; é o fruto de suas mãos e de seu Coração. O Sacerdote brota das chagas de Jesus Cristo. A maior Graça que Deus concede a um povo é o Sacerdote, o Sacerdote segundo o seu Coração.

São Pedro Julião Eymard, Flores da Eucaristia.
  

Eucaristia

Contemplai Nosso Senhor no santíssimo Sacramento ;vede o seu amor,e que este pensamento vos empolgue,vos encante. Alimentai em vós o espirito da Eucaristia ,da verdade do amor que nosso senhor aí vos testemunha.

Será possível, direis a vós mesmos, que Ele me ame a ponto de dar-se a mim constantemente ,sem se fatigar?

Vosso espirito se fixa então em nosso senhor ;todos os vossos pensamentos O procuram e querem estuda-lo a fim de penetrar nas razões do seu amor.

Sentir-vos-eis admirados, cheios de enlevo ,e o vosso coração há de exclamar:Como corresponder a tanto amor?

Eis que começa a se formar o amor no coração ,pois que somente se ama profundamente aquilo que conhecemos bem.

E o coração voa para o Santíssimo Sacramento ,porque não se satisfaz de caminhar.

Jesus Cristo me ama sim ,Ele me ama no seu sacramento !(cF. gl2,20).

Ah! Se fosse possível ,o coração romperia invólucro da carnepara se unirestreitamente a nosso Senhor.

(flores da eucarístia – São Pedro Julião Eymard. Pg 245) 

Ir.Carlos Eduardo Campos

sexta-feira, 9 de março de 2012

A Eucaristia edifica a Igreja


Existe um influxo causal da Eucaristia nas próprias origens da Igreja. Os evangelistas especificam que foram os Doze, os Apóstolos, que estiveram reunidos com Jesus na Última Ceia (cf. Mt 26,20; Mc 14,17; Lc 22,14). Trata-se de um detalhe de notável importância, porque os Apóstolos foram à semente do novo Israel e ao mesmo tempo a origem da sagrada Hierarquia».

1 Ao oferecer-lhes o seu corpo e sangue como alimento, Cristo envolvia-os misteriosamente no sacrifício que iria consumar-se dentro de poucas horas no Calvário. De modo análogo à aliança do Sinai, que foi selada com um sacrifício e a aspersão do sangue,2 os gestos e as palavras de Jesus na Última Ceia lançavam os alicerces da nova comunidade messiânica, povo da nova aliança.

No Cenáculo, os Apóstolos, tendo aceitado o convite de Jesus: «Tomai, comei [...]. Bebei dele todos» (Mt 26, 26.27), entraram pela primeira vez em comunhão sacramental com Ele. Desde então e até ao fim dos séculos, a Igreja edifica-se através da comunhão sacramental com o Filho de Deus imolado por nós: «Fazei isto em minha memória [...].Todas as vezes que o beberdes, fazei-o em minha memória» (1 Cor 11, 24-25; cf. Lc 22, 19) .

A incorporação em Cristo, realizada pelo Batismo, renova-se e consolida-se continuamente através da participação no sacrifício eucarístico, sobretudo na sua forma plena que é a comunhão sacramental. Podemos dizer não só que cada um de nós recebe Cristo, mas também que Cristo recebe cada um de nós. Ele intensifica a sua amizade conosco: «Chamei-vos amigos» (Jo 15, 14). Mais ainda, nós vivemos por Ele: «O que Me come viverá por Mim» (Jo 6,57). Na comunhão eucarística, realiza-se de modo sublime a inabitação mútua de Cristo e do discípulo: «Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós» (Jo 15,4).


Bem Aventurado João Paulo II